Notice: Undefined index: options in /home/garchen/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/theme-builder/widgets/site-logo.php on line 123
texto2 - imensuraveis 1 - institutogarchen

Texto 2: Passos detalhados para se gerar amável bondade, no método longo

Passos 1 e 2: Focando na bondade dos outros

(1)

Primeiramente, reflita sobre a bondade dos outros. Pense conosco: Como você poderia gerar amor por outro alguém com uma atitude paternalista de ser um grande ser que “faz o bem”? Ou com a atitude de alguém que está sempre “dando”? É mais produtivo e hábil pensar que o seu ato de dar amor pode ser uma expressão mínima de gratidão por tudo que você recebeu.

O ponto aqui é entender a interdependência. Uma abordagem muito simples é pensar em quem você é hoje. Os seres, como um todo, te deram muito mais do que você deu a eles. Tudo o que você se tornou e alcançou como um indivíduo consciente aconteceu através da bondade coletiva de incontáveis pessoas que contribuíram para a sua existência.

Você não teria recebido educação sem que outros a oferecessem a você. Seu aprendizado, compreensão, habilidades e até mesmo o seu nascimento
jamais teriam acontecido sem as contribuições dos outros. Mas será que a mente humana se lembra muito dessa obviedade?

Se você não reservar um tempo para pensar em si mesmo como um acúmulo das bondades dos outros, pode começar a associar o desenvolvimento da sua própria bondade a fazer “favores” para os outros. Para reverter essa atitude, é essencial seguir alguns passos iniciais. Primeiro, reserve um tempo para entender a gratidão. Reflita sobre a sua interconexão com todos os seres a ponto de poder dizer algo como: “Pelo menos 100 indivíduos contribuíram para produzir este copo de água na minha frente, para que eu possa bebê-lo quando precisar”. De fato, você depende do tempo e energia de muitos seres para ter água boa de forma rápida.

Observar isso de fato é o caminho para a amável bondade. Em vez de praticar a bondade ou qualquer tipo de meditação ou concentração agora, só pense sobre a bondade. Não apenas um pensamento superficial como “Sim, todos foram muito bondosos comigo; de que maneiras, eu realmente não sei, mas devem ter sido”. Mas realmente reserve um tempo para repassar algumas bondades que você recebeu, uma por uma.

 

(2)

Em segundo lugar, um senso de urgência em retribuir essa bondade diminuirá qualquer manifestação de arrogância na sua própria expressão de bondade. Qualquer gesto que você faça para projetar bondade e compaixão é o mínimo que você pode fazer em apreciação pelas milhares de dádivas que você recebeu dos outros. Ser humilde na sua abordagem à prática da amável bondade é o primeiro passo em direção a uma bondade incondicional, em vez de limitada.

É somente após refletir sobre esses dois aspectos – pensar sobre a bondade dos outros e desejar retribuir essa bondade – que um calor de sentimento se desenvolverá em sua atitude. Esse calor, ou sentimento mais agudo, é a principal característica da amável bondade.

Passos 3 a 6: expandindo a amável bondade ao máximo

(3)

A terceira etapa é chamada de “maitri” em sânscrito, o que significa cultivar “amizade”. Se você não desenvolver algum senso de amizade com os outros, nunca conseguirá desenvolver a amável bondade, o altruísmo e a compaixão. Amizade descreve uma abordagem calorosa e gentil em relação aos outros. Portanto, este passo significa perceber que você pode ser gentil com os outros. Os outros seres são dignos da nossa bondade, e reconhecer isso sem inventar barreiras é essencial.

 

(4)

A quarta etapa, uma atitude simpática, fortalece a sua abordagem gentil para com os seres sencientes. Há compaixão, ou simpatia, pelas necessidades dos outros, e uma mente que deseja a felicidade deles e as causas da felicidade. Deixe esse calor de sentimento e simpatia crescerem.

 

(5)

A quinta etapa é a qualidade de ir além do que você considera como sendo suas limitações. O maior impedimento para a amável bondade incondicional, ou imensurável, é permitir que esses pensamentos limitantes impeçam o seu potencial. É dizer para si mesmo: “Eu não sou capaz de fazer muito”; ou “Eu não tenho tempo, eu não tenho recursos, eu não tenho habilidades”. Você inventa todos os tipos de obstáculos que limitam a sua capacidade de ter uma amável bondade genuína pelos outros. Para cultivar a amável bondade, não permita que as limitações que vierem a mente o impeçam, não importa quais sejam.

Nesse passo você pode estender um pouco seu sentimento de querer contribuir para a felicidade de outros de uma maneira mais ampla, incluindo mais seres. Se você está estendendo a sua bondade apenas para uma pessoa, estenda para duas ou três pessoas. Se você está estendendo a sua bondade apenas para a sua família, estenda para mais parentes. Se você está estendendo para a sua comunidade, então estenda para outras comunidades vizinhas. Qualquer que seu objeto, deixe que haja crescimento.

Ir além do seu senso artificial de limite é a quinta etapa de desenvolvimento, então, sem pensamentos autolimitantes, tente estender a sua amável bondade para mais seres nesta etapa.

 

(6)

Fazer tudo isso com uma atitude pura e constante é a sexta etapa. O que isso significa, de forma muito simples, é estar sem ambição e expectativas. Não há ambição na sua expressão de bondade e nenhuma expectativa de algo em troca, nem mesmo reconhecimento pela sua gratidão. A sua bondade é sem estratégia. Você é capaz de ser verdadeiramente e simplesmente bondoso, porque é o mínimo que você pode fazer em troca de tudo que você recebeu.

Sua mente está atenta às necessidades dos outros, e você se esforça para ir além das suas limitações da melhor maneira possível, sem precisar de nada em troca.

 

Scroll to Top